9 de março de 2014

40 Oz. to Freedom

O desenho que fiz com carvão ontem vai se apagando. Estou no meu quarto ouvindo minha mais nova lista de reprodução, depois de passar o dia todo sentindo o poder de mudança da música e do tempo. Claro, primeiro da música e depois do tempo. 
Aqui no meu canto, no meu melhor posto de observação, me apaixono pelos solos, pelos ritmos ("Lista das Boas Energias") e pela arte inteira de ouvir-cantar-respirar. Me apaixono ainda mais enquanto tomo nota e gravo esse momento de vida, que é mais que só uma transição. A partir de agora entendo que cada segundo é a transição, porque as escolhas de vida simplesmente se escondem nesses segundos (que muitas vezes perdemos por não nos apaixonarmos). 
Por isso, olhando para as variações de cor do Media Player, ao som de Sublime, amo esse tal presente, que não me permito perder.
Precisamos pensar na música e só depois no tempo...


4 comentários:

  1. Olhando assim, faz mais sentido do que parece.
    O momento passa mas, sob sua visão, ele não simplesmente deixa de existir: Ele pontua, ela dá razão ao instante vivido.

    Boas ideias, como sempre.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Daniela! td bem?
    tem muito tempo que nao venho aqui, uns dois anos, talvez? Não sei nem se vc lembra de mim. Eu costumava escrever no gabinoica.blogspot, agora mudei pro http://gabinoica.wordpress.com/ só pra aproveitar melhores recursos. Mas não vim aqui pedir pra vc passar no meu blog (se quiser, seja bem-vinda :) ), vim falar q continuo por aqui, lendo tudo. nunca comento por falta de tempo, mas hoje vim pq acho importante esse tipo de interação com o leitor. então please, não pare de escrever. essas coisas que vem do coração fazem sentido pra muito mais gente do q parece.

    ResponderExcluir
  3. A música nos faz viajar, refletir e sim, ela não deixa os momentos de apagarem.

    ResponderExcluir
  4. Impressionante o poder da música né? Nos acompanha em praticamente todos os momentos da nossa vida.
    Beijos flor!

    ResponderExcluir

Críticas são sempre bem vindas, comentem a tragédia (ou não).