20 de fevereiro de 2011

When life gives you lemons, make lemonade!



Faz parte de um ciclo, de algo maior. Todo começo tem um fim e, o que termina, indica um novo ponto de partida. Então, não, você definitivamente não precisa de uma bússola. A frustração por perder a sua “razão” pode te prender a perspectivas pequenas: livre-se dela caso seu objetivo não seja permanecer perdido. 
Sei que parece surreal e, muitas vezes, a palavra “acabou” chega sem aviso prévio, porém não se deixe levar pela insegurança de não ter marcado o caminho da casa com grãos, pelo medo do que surge quando as luzes se apagam, pelo receio proveniente de estar desarmado. É preciso ser otimista, ou realista no mínimo, para voltar a enxergar o horizonte, um novo cenário. O pessimismo, agora, funcionará como uma âncora, capaz de prender-lhe ao passado enquanto dias importantes de sua vida se despedem. Ser imune a dor, não arrepender-se de qualquer detalhe e não ser surpreendido por uma incrível vontade de chorar não precisa ser seu objetivo, até porque, seria quase inalcançável. Quero dizer, é por ter sentimentos que você se magoa, e se isso acontece, é por você se importar. Enfim, apenas lembre-se de dar mais importância a si mesmo. 
As palavras confortantes, abraços calorosos, desejos insanos, atitudes impulsivas, expressões nas horas certas e tempo investido não vão mesmo desaparecer, nem da memória e nem do coração, mas qual a melhor alternativa se não aceitar? Sim, aceitar que não volta mais, mesmo que seja ainda parte de você (e poderá para sempre ser). Aceitar que tudo está sujeito a transformações e que sofremos metamorfose todos os dias. Aceitar que esse é simplesmente um dos prazeres de viver, evoluir. 
Para domar a angústia, basta encarar como uma experiência muito útil para o que ainda está por vir, afinal, o futuro é incerto e, se houver merecimento, muito melhor. Somos capazes de amar novamente -e cada vez com mais intensidade-, de sorrir inúmeras vezes, de conhecer as vantagens da entrega, de não sofrer mais do que o necessário para tirar uma lição. Portanto, ao invés de agarrar-se ao que te dá adeus, sonhe com o que irá ocupar o lugar vago. 
"Se tu choras por ter perdido o sol, as lágrimas te impedirão de ver as estrelas" Antoine de Saint-Exupéry